19 de Fevereiro, 2019

Saae Itabirito intensifica redução de perdas

A iniciativa se organiza em dois eixos: a setorização e o controle de vazamentos.

O uso eficiente da água depende de esforços coletivos de toda a população e do próprio serviço de abastecimento. Assim, o Serviço Autônomo de Saneamento Básico de Itabirito (Saae) tem aprimorado os processos de captação, tratamento e distribuição de água, com o objetivo de reduzir as perdas inerentes a essas etapas.

Para alcançar a diminuição de perdas de água no sistema de distribuição, o Saae tem intensificado o Programa de Redução de Perdas, que se organiza em dois eixos: a setorização e o controle de vazamentos, causados principalmente por uma pressão de água elevada nas redes de distribuição.

Desde que foi implantado em 2017, o resultado dessas intervenções foi de uma redução aproximada de 10% do índice de perdas das áreas setorizadas.

Segundo o chefe de Setor do Controle de Perdas, Javier Dagoberto, a setorização foi toda baseada na NBR 12.218/2017 e consistiu na divisão da cidade em Distritos de Medição e Controle (DMC), nas quais o fornecimento de água pode ser interrompido sem que ocorra uma intermitência no abastecimento, permitindo assim um rápido reabastecimento.

O primeiro a receber a programa foi o bairro Pedra Azul com a instalação de 13 registros, uma válvula redutora de pressão e um medidor de vazão instalado próximo ao reservatório de água que afere o volume de água distribuído na região.

Javier conta que a equipe do Saae trabalha ao mesmo tempo no controle de pressão da água, por meio do monitoramento automatizado de pressão. Esse processo permite identificar e localizar pontos de maior pressão onde há necessidade de controle, visto que um tubo com maior pressão de água representa a possibilidade de maiores perdas através de emendas dos tubos e em casos extremos de ruptura destes mesmos tubos.

E ao cruzar os dados com a diferença entre a pressão máxima teórica do bairro e a pressão medida no hidrômetro do cliente é possível mapear as áreas com mais chances de ocorrer perdas físicas e aparentes.

“Por meio de todo esse monitoramento, conseguimos identificar e setorizar todas as zonas via DMC, além de que promovemos uma gestão ainda melhor do sistema de abastecimento, gerando uma metodologia que permite a geração de indicadores de perdas por bairros”, ressalta Javier.

Ainda no escopo do combate às perdas também se inserem os esforços para atualizar e digitalizar os cadastros das redes e maquinário de saneamento. Com as informações mais recentes à disposição, o monitoramento automático das redes e reservatórios pelo Centro de Controle Operacional (CCO) torna a manutenção mais previsível e assertiva, diminuindo os riscos de todos os tipos de vazamentos e assegurando um nível baixo de intermitência no abastecimento.

Fonte: Saae Itabirito

Última modificação em Terça, 19 Fevereiro 2019 11:53
Mais nesta categoria:
ASSEMAE © 2019 | Todos os direitos reservados Desenvolvido por Trídia Criação