04 de Junho, 2020

Cáceres não terá mais rede de amianto

A obra está sendo executada com recursos próprios da autarquia municipal Águas do Pantanal. 

Uma das maiores e mais importantes obras de infraestrutura da atual administração, a substituição da rede de abastecimento de água – de tubos de amianto, por PVC, deverá ser concluída, no próximo mês em Cáceres (MT). Dos 17 mil metros de tubulação subterrânea, que antes provocavam constantes avarias no sistema, em razão de rupturas e vazamentos, faltam apenas dois mil metros.

Executada pela prefeitura, por meio da autarquia Águas do Pantanal, a obra está sendo realizada 100% com recursos próprios na ordem de R$ 1 milhão. E, irá contemplar melhorias, com água tratada e de qualidade, em todo sistema de abastecimento da cidade. A entrega está dentro do cronograma traçado no início dos trabalhos no mês de maio do ano passado.

Além da importância, a restauração da rede era de extrema necessidade. Construída há cerca de 50 anos – sem nunca passar por reforma ou ampliação – o sistema já não atendia a demanda do município. Sem contar a estrutura de amianto que não é considerada saudável para a saúde humana.

Diretor da autarquia Águas do Pantanal, Paulo Donizete Costa diz que foram realizados trabalhos em cerca de 50 quarteirões da área central da cidade, a partir da Rua Voluntários da Pátria até a Praça Barão e da Tapagem até o Rio Paraguai. Explica que todo o trabalho está sendo feito de forma gradativa para evitar maiores transtornos a população.

Paulo Donizete assegura que a autarquia realiza tanto a reposição dos blokrets de concreto quanto a reposição asfáltica das ruas onde está sendo executada a troca da tubulação.

A reforma, de acordo com o diretor da autarquia “irá proporcionar além da melhoria na qualidade da água, diminuição de perdas por conta de redes rompidas, principalmente na área central. Melhorar a pressão da água nos bairros, mais afastados da área central (isso já está ocorrendo) e já diminuiu muito a reclamação de falta de água, ou que chegava ao cavalete mas não na caixa d’água”.

Para o prefeito Francis Maris a restauração do sistema “é um trabalho complexo e caro, mais que irá solucionar a distribuição de água tratada na cidade que se arrasta há várias décadas” explicou assinalando que “após concluído, o novo sistema irá oferecer água tratada e de qualidade à população por, pelo menos 30 anos”.

Fonte: Portal Expressão Notícias

Última modificação em Quinta, 04 Junho 2020 10:42
Mais nesta categoria:
ASSEMAE © 2020 | Todos os direitos reservados Desenvolvido por Trídia Criação