31 de Outubro, 2022

Assemae e CEF realizam curso de engenharia de custos

A capacitação será EAD com foco na orçamentação de obras

A Assemae, atendendo às demandas dos associados, buscou parceria com a Caixa Econômica Federal – CEF para oferecer a capacitação em engenharia de custos. De acordo com o presidente da Entidade, Rodopiano Marques Evangelista, esta é a primeira de várias ações conjuntas com a Caixa, banco ligado ao Governo Federal com expertise em diversas áreas de interesse para o saneamento municipal.

O Superintendente Regional de Governo da Caixa Econômica Federal, Marcelo Ferreira de Oliveira, frisa que esta é a primeira vez em que a CEF firma parceria para capacitação com uma Associação, algo inovador que, certamente, irá gerar bons frutos. O documento que oficializa a parceria foi assinado senhor Marcelo e a Coordenadora de Filial da Gerência Executiva de Governo Brasília/DF, Flavia Rios, na sede da Assemae.

O objetivo do curso é capacitar profissionais que atuem no setor de obras públicas, preparando-os para a correta orçamentação de obras. A oficina ocorre na modalidade online com carga horária de 30 horas, para até 20 participantes, voltado para o público-alvo principal formado por engenheiros e/ou arquitetos. Serão realizadas 5 (cinco) reuniões online de 3 (três) horas cada, totalizando 15 (quinze) horas; e tutoria e discussão para resolução de dúvidas ao término das aulas/reuniões ordinárias, e tempo para a realização leituras e exercícios de aprendizagem, da qual foram estimadas 15 (quinze) horas. Importante ressaltar que será oferecido certificado de participação após o término do treinamento.

Dúvidas podem ser esclarecidas pelo número (61) 3322-5911.

 

FAÇA AQUI A SUA INSCRIÇÃO

É imprescindível que todos os campos do formulário de inscrição sejam preenchidos corretamente para a efetivação da inscrição. Confira os dados e certifique-se que os seus contatos sejam atuais e corretos. Forneça sempre um número de celular para facilitar a comunicação e o envio de informações. A equipe da Assemae entrará em contato para confirmar a sua inscrição. As inscrições serão limitadas às vagas disponíveis.

 

Confira os detalhes da capacitação em engenharia de custos:

Período de realização: de 5 a 9 de dezembro de 2022

Horário: das 9h às 18h

 

Investimento por participante:

Associado R$1500,00

Não Associado R$3000,00

 

DIA 05/12 – ORÇAMENTO

1.1.   Horários e Programação

1.2.   Apresentação dos participantes e expectativas

1.3.   Conceitos Iniciais

1.4.   Precisão do orçamento

1.5.   Metodologias de Elaboração do Orçamento

1.5.1. Quantificação x Correlação

1.5.2. Correlação: Apresentação dos métodos mais utilizados

1.5.2.1.    CUB/m²

1.5.2.2.    Índice SINAPI

1.5.2.3.    CUPE – Custo Unitário PINI de Edificações

1.5.2.4.    Comentários ao projeto de norma ABNT 16.633

1.5.2.5.    Custo de Urbanização (Avaliação de Glebas)

1.5.2.6.    CUG – Custo Unitário Geométrico

1.5.2.7.    Orçamento Paramétrico

1.5.2.7.1.   Amostra homogênea

1.5.2.7.2.   Modelo Paramétrico

1.5.2.8.    Demonstração de uso de orçamentos baseados em modelos paramétricos

1.5.3.  Quantificação

1.5.3.1.    Metodologia para elaboração de orçamento analítico

1.6.   Engenharia de Custos na Administração Pública – Legislação Aplicável

1.6.1. Decreto n° 7.983/2013

1.6.2. Lei n° 13.303/2016 (Lei das Estatais)

1.6.3. Lei n° 14.133/2021 (Nova Lei das Licitações)

 
DIA 6/12 – INSUMOS

2.1.   Insumos - Conceitos

2.2.   Materiais de Construção

2.2.1. Aspectos que influenciam o preço dos materiais de construção

2.2.2. Pesquisa de mercado – equalização das cotações

2.3.   Mão de Obra

2.3.1. Horista x mensalista

2.3.2. Adicionais legais

2.4.   Equipamentos

2.5.   Coleta de Preços: o método das famílias homogêneas

2.6.   SINAPI Web – Conteúdo disponível e o Sumário de Publicações

2.7.   Insumos no SINAPI

2.7.1. Metodologia de coleta de preços do SINAPI

2.7.2. Preços Atribuído São Paulo (AS)

2.7.3. Principais características dos insumos SINAPI

2.7.4. Fichas Técnicas de Insumos

2.7.5. Relatórios de preços de Insumos

2.7.6. Insumos “SEM PREÇO”

2.7.7. Manutenção de Insumos (relatório de ativação/desativação)

 

DIA 7/12 – COMPOSIÇÕES

3.1.   Composições de Custo Unitário - Conceitos

3.1.1. Consumo de material

3.1.2. Produtividade da mão de obra

3.1.3. Custo horário dos equipamentos (CHP e CHI)

3.1.3.1.    Parcelas que formam o custo horário dos equipamentos

3.2.   Composições no SINAPI

3.2.1. O processo de aferição das composições

3.2.2. Os Cadernos Técnicos das Composições

3.2.3. Conhecendo o SINAPI

3.2.4. Relatórios de custos das Composições

3.2.5. Composições “SEM CUSTO”

3.2.6. Manutenção de Composições (relatório de inclusões/desativações de composições)

3.2.7. Composições em Consulta Pública

3.3.   E quando a composição não está disponível nos sistemas de referência?

3.3.1. Ajuste/adequação de composições existentes

3.3.2. Criação de composições próprias

3.4.   Demonstrações de uso do SINAPI

3.4.1. Proposito e metodologia

3.4.2. Limitações dos modelos (elementos e serviços não inclusos)

3.4.3. Publicação e manutenção

 

DIA 8/12 – ENCARGOS SOCIAIS E BDI

4.1.   Custo da mão de obra: salários + encargos

4.2.   Regimes horista e mensalista

4.3.   Desoneração sobre a folha de pagamento

4.4.   Encargos Sociais

4.4.1. Grupo A - Tributos

4.4.2. Grupo B – Direitos Trabalhistas

4.4.3. Grupo C – Indenizações

4.4.4. Grupo D – Reincidências

4.4.5. Apropriação dos Encargos Sociais aos insumos de mão de obra

4.5.   Encargos Complementares

4.5.1. Conceitos

4.5.2. Metodologias

4.5.3. Apropriação dos Encargos Complementares nas composições de mão de obra

4.6.   BDI – Bonificações e Despesas Indiretas

4.6.1. Definições

4.6.2. Valores Referenciais e Fórmula de Cálculo definidos pelo Acórdão nº 2.622/2013 – TCU

4.6.3. BDI – Composição

4.6.4. BDI – Taxa Reduzida

 

DIA 9/12 – CUSTOS INDIRETOS E ENGENHARIA CONSULTIVA

5.1.   Custos Indiretos

5.1.1. Conceito e Evolução

5.1.2. Administração Local

5.1.2.1.    Custos usualmente apropriados na Administração Local

5.1.2.2.    Fatores de impacto na Administração Local

5.1.2.3.    Critérios de medição e pagamento

5.1.2.4.    Forma de alocação na planilha orçamentária

5.1.2.5.    Valores Referenciais definidos pelo Acórdão nº 2.622/2013 – TCU

5.1.3. Canteiro e Acampamento

5.1.4. Mobilização e Desmobilização

5.1.4.1.    Forma de alocação na planilha orçamentária

5.2.   Engenharia Consultiva – Orçamento para elaboração de projetos e serviços técnicos especializados

5.2.1. Metodologias

5.2.2. BDI para engenharia consultiva (Fator K e TRDE)

5.3.   Boas Práticas e Recomendações

5.4.   Bibliografia recomendada

Última modificação em Terça, 01 Novembro 2022 14:51
Mais nesta categoria:
ASSEMAE © 2022 | Todos os direitos reservados Desenvolvido por Trídia Criação