06 de Janeiro, 2016

Ano novo terá desafios no acesso à água

Relator da ONU para o Direito Humano à Água e Saneamento comenta suas expectativas para 2016. 

De Belo Horizonte, em entrevista à Rádio ONU, o relator das Nações Unidas para o Direito Humano à Água e Saneamento, Léo Heller, falou que ainda há "muitos desafios em relação ao acesso à água e ao saneamento de forma adequada" e destacou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

"Creio que o principal aspecto que vai gerir as discussões sobre esses direitos são exatamente os ODS, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Nós temos agora tanto metas quanto targets mais ousados e isso nos trará a necessidade de definirmos com mais clareza o significado de acesso à água e ao saneamento."

Acesso

Na entrevista, o relator falou que será preciso tratar desta questão de uma forma "mais avançada".

"Nós estamos falando agora de um acesso que envolve qualidade, segurança, equidade, o conceito de acesso financeiro, essa definição será muito importante. Organizar os sistemas de monitoramento para monitorar adequadamente as novas metas também será importante. E, ao mesmo tempo, avaliarmos as diversas situações nacionais e ajudarmos, obviamente, os países a pensar em como avançar nesses fundamentais direitos, nesses serviços essenciais, especialmente para as populações mais pobres."

Assembleia Geral

Em dezembro, a Assembleia Geral da ONU reconheceu o “direito humano ao saneamento” como um direito distinto ao “direito humano à água potável”, decisão considerada importante pelo relator. Segundo o especialista, o acesso ao saneamento foi uma das "metas mais atrasadas" dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Bilhões de Pessoas

Léo Heller destacou ainda estimativas de que 2,5 bilhões de pessoas no mundo não têm acesso adequado ao saneamento. Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos é o 6º dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, adotados pelas Nações Unidas em setembro do ano passado e que entraram em vigor em 1º de janeiro de 2016.

Fonte: Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

Última modificação em Segunda, 11 Janeiro 2016 15:42
Mais nesta categoria:
ASSEMAE © 2019 | Todos os direitos reservados Desenvolvido por Trídia Criação